Pato News

Pato News

Início Agro Aveia é opção de plantio de inverno, mas exige sementes certificadas, orienta...

Aveia é opção de plantio de inverno, mas exige sementes certificadas, orienta IDR-PR

Publicidade

A aveia é uma alternativa para produtores que desejam ter pasto, feno ou cobertura para o solo durante o inverno. A cobertura vegetal produzida pela aveia também é fundamental para a manutenção do sistema de Plantio Direto. Além disso, essa gramínea também é usada para a produção de grãos.

Apesar dos benefícios que a cultura oferece, o uso de sementes certificadas no Paraná ainda é baixo, chega a apenas 10% da área cultivada com a espécie, no Estado, segundo a Abrasem (Associação Brasileira de Sementes e Mudas). Especialistas alertam que o uso de sementes próprias pelos produtores pode comprometer o cultivo de aveia com a introdução de doenças, pragas, plantas invasoras, além de comprometer o rendimento da aveia.

De acordo com Renan Carvalhal, da área de Melhoramento e Propagação Vegetal do IDR-Paraná (Instituto de Desenvolvimento Rural do Paraná-Iapar-Emater), a aveia é uma planta rústica, de crescimento vigoroso, resistente à acidez dos solos e é plantada entre março e julho no Estado. Há diversas variedades à disposição do produtor e a escolha do melhor material exige a observação de alguns aspectos como o uso que se vai dar à aveia (pasto, feno, cobertura do solo ou grãos) e as condições de clima e solo da propriedade.

“Normalmente no Paraná a aveia é semeada após a colheita da soja. Então o produtor deve analisar qual a janela que ele tem disponível. Assim, ele pode optar entre uma variedade de ciclo precoce ou tardio”, disse Carvalhal. Ele lembra que as espécies de aveias têm características próprias. As aveias pretas (Avena strigosa S.) são rústicas, mais resistentes à ferrugem e a períodos de estiagem do que as aveias brancas (Avena sativa L.) que, por sua vez, toleram temperaturas mais baixas.

PASTAGEM  O IDR-Paraná dispõe de três variedades tardias: Iapar 61 (Ibiporã), IPR 126 e IPR Suprema. No grupo das variedades precoces estão a IPR Cabocla e a IPR Esmeralda. De acordo com Carvalhal, a aveia é, de forma geral, uma espécie de fácil manejo, tem bom comportamento diante do ataque de pragas e doenças.

Ele informa que a variedade desenvolvida pelo IDR-Paraná mais conhecida pelos agricultores é a Iapar 61 (Ibiporã). Como se trata de um material antigo, já de domínio público, muitos produtores vêm recorrendo a sementes próprias ou sementes piratas para a semeadura, o que traz riscos e insegurança de bom desempenho das lavoras.

Segundo Carvalhal, é importante o agricultor entender que a semente é um dos mais eficientes agentes de transferência de tecnologia, proporcionando que as inovações tecnológicas geradas pelas instituições de pesquisa e tecnologia cheguem rapidamente ao campo. As sementes produzidas dentro do SNSM (Sistema Nacional de Sementes e Mudas) seguem padrões rigorosos de qualidade que garantem ao produtor o melhor desempenho no campo, maximizando os benefícios de outros insumos como fertilizantes e defensivos.

“Quando o produtor deixa de usar sementes produzidas dentro do SNSM, ele assume o risco de semear um produto de baixa qualidade que aumenta as chances de contaminação da lavoura de aveia com outras espécies vegetais indesejáveis, pragas e doenças”, disse.

Ele afirma que a semente própria ou pirata apresenta menor qualidade fisiológica, ou seja, baixo poder de germinação e menor vigor. “Muitas vezes o agricultor vê alguma vantagem ao usar a semente própria, mas ele provavelmente irá gastar mais com herbicidas, fungicidas e inseticidas, para controlar plantas daninhas, doenças e pragas, sem a garantia de bons resultados”, destacou.

A aveia pode ser cultivada sozinha, o cultivo solteiro, ou em consórcio/coquetéis/mix de sementes. Normalmente esta última prática é indicada para a produção de cobertura verde que, posteriormente, terá a função de formar uma camada de massa morta que trará benefícios como a manutenção da umidade do solo, menor infestação de plantas daninhas e a redução da erosão. A aveia pode ser combinada com azevém, centeio, ervilha forrageira, trevo, ervilhaca, nabo forrageiro ou trigo mourisco.

Carvalhal acrescenta que algumas variedades se destacam quando a finalidade é a produção de forragem. A Iapar 61, aveia preta de ciclo tardio (134 dias da emergência ao florescimento) chega a produzir 7.400 kg de massa seca por hectare. Já a IPR Suprema, aveia branca de ciclo muito tardio (145 dias), se destaca pelo alto teor de proteína bruta, importante para a produção de leite.

PRODUÇÃO DE GRÃOS – O grupo das aveias brancas, além da forragem, também produz grãos de elevado valor para o uso na alimentação humana e animal. De acordo com Klever Arruda, que também é da área de Melhoramento e Propagação Vegetal do IDR-Paraná, na safra 2019 a produção nacional dessas variedades de aveia chegou a aproximadamente 908,6 mil toneladas.

No entanto, somente cerca de 200 mil toneladas foram usadas na alimentação humana. O alto custo do milho está levando muitos produtores a aumentar o uso de aveia na alimentação de animais.

No Paraná a área com aveias graníferas, para a produção de grãos, chega a 81,9 mil hectares, sendo o segundo cereal de inverno mais plantado no Estado. O plantio segue o zoneamento agrícola do Ministério da Agricultura, iniciando em abril, nas regiões mais quentes, e terminando em julho, no Sul do Estado. O zoneamento leva em conta as condições de clima e solo de cada região.

A Comissão Brasileira de Pesquisa de Aveia indica 14 variedades, sendo que duas delas são do IDR-Paraná. Arruda diz que a IPR Afrodite é altamente produtiva e mais adequada à indústria processadora por apresentar facilidade para ser descascada. Ele destaca que a IPR Afrodite é resistente a vários tipos de nematóide e que se torna uma alternativa para o agricultor que constatou a praga em sua propriedade e precisa de uma cultura de inverno que diminua a infestação. Outra variedade disponível é a IPR Artemis, também com boa capacidade de descasque e resistente à ferrugem, principal patógeno da aveia.

Quanto ao manejo, Arruda afirma que as lavouras de aveia para a produção de grãos têm poucos problemas com doenças de difícil controle. A ferrugem e as manchas foliares são as principais, mas podem ser combatidas com fungicidas simples, mais baratos.

“Um dos problemas nos cultivos é o alto nível de acamamento, o que exige cuidados com a adubação nitrogenada para evitar o problema”, destacou. São esses aspectos que exigem que o produtor consulte um extensionista para ajudar a planejar a sua lavoura, escolhendo o melhor material e o manejo mais adequado para o bom rendimento da lavoura.

Fonte: AEN
Foto: © IDR-PARANÁ

Publicidade
Publicidade
Publicidade

Mais

Governador reforça o compromisso do Estado em atender os mais vulneráveis durante onda de frio

O governador Carlos Massa Ratinho Junior reforçou nesta terça-feira (27) o compromisso do Estado em atender a população paranaense, especialmente a parcela mais vulnerável,...

Informe semanal da dengue registra 404 novos casos no Paraná

O Informe da dengue publicado nesta terça-feira (27) pela Secretaria de Estado da Saúde confirma mais 404 casos da doença no Paraná. O período epidemiológico,...

Paraná recebe 298,2 mil vacinas da AstraZeneca; lote contém apenas segundas doses

O Ministério da Saúde enviou na noite desta terça-feira (27) mais 298.250 vacinas contra a Covid-19 da AstraZeneca/Fiocruz ao Paraná. Este foi o terceiro envio...

Com 85 fabricantes, Paraná é referência na produção de instrumentos musicais artesanais

O Paraná é um dos estados brasileiros que mais concentram empresas de fabricação de instrumentos musicais, peças e acessórios. A capital paranaense é a...