Pato News

Pato News

Início Economia e Finanças Capital nacional do boné, Apucarana tem 2,2 mil empresas do segmento

Capital nacional do boné, Apucarana tem 2,2 mil empresas do segmento

Quem chega em Apucarana, no Vale do Ivaí, é recepcionado por um boné gigante – é o sinal de que o visitante está entrando na capital brasileira do boné. Basta dar uma volta pelo município para comprovar a vocação local. Até os pontos de ônibus são no mesmo formato do simpático acessório. O segmento é mais um a integrar o programa Feito no Paraná, criado pelo Governo do Estado para dar visibilidade e valorizar empresas e produtos paranaenses.

O título de Capital Nacional do Boné foi conquistado em 2010, referendado pela Lei Federal nº 2.793/08. E a cidade faz jus ao reconhecimento. De acordo com dados do Sindicato das Indústrias do Vestuário de Apucarana e Vale do Ivaí (Sivale), mensalmente são confeccionados nada menos que cerca de 4 milhões de bonés, metade da produção nacional.

A vocação local começou a despontar em meados da década de 1970, com a produção de bandanas e bonés, comercializados sobretudo no litoral do Paraná. Hoje, são cerca de 2,2 mil empresas que geram cerca de 10 mil empregos diretos e outros 10 mil indiretos.

De acordo com a presidente do Sivale, Elizabete Ardigo, atualmente a produção do município está mais diversificada e as empresas, além dos bonés, fabricam camisetas, bolsas e todo tipo de material têxtil promocional.

A empresa que ela preside, a B2, começou há 28 anos com prestação de serviços de serigrafia. O negócio foi crescendo e hoje se especializou na linha de licitações governamentais, confeccionando uniformes escolares e materiais promocionais, entre outros. “Produzimos cerca de 500 mil peças por mês. Para isso, temos uma fábrica com 70 colaboradores e terceirizamos boa parte da produção, chegando a gerar até 500 empregos indiretos”.

FASHION – A Blue Ocean é outra empresa instalada em Apucarana e especializada na confecção desse acessório que não pode faltar no guarda-roupa de muita gente. Ela nasceu em 1982 e até 1999 fazia roupas em geral. “Por uma demanda dos próprios clientes começamos a produzir bonés como assessório de moda. Hoje, só fabricamos este tipo de produto”, conta o diretor administrativo, Adeli Garcia Junior.

Além de fabricar para sua marca própria, a Super Cap, a empresa é licenciada para produção de bonés de diversas marcas como Colcci, Cavalera, Coca Cola, Elus e Forum – ao todo são 12. “A qualidade dos produtos feitos em Apucarana não deixa nada a desejar a nenhum boné produzido no mundo. A cidade se tornou um polo de produção com muita qualidade”, afirma o diretor administrativo.

Ao se especializar no ramo, o empresário identificou dificuldades para encontrar aviamentos, tecidos e até equipamentos de qualidade para a produção. “Começamos a importar isso e foi assim que surgiu a segunda empresa do grupo, a Lolla Soluções, que atualmente fornece para toda a indústria boneleira do País”.

Durante a pandemia, a empresa reverteu sua linha de produção para costurar máscaras e jalecos. O negócio deu tão certo que foi criada mais uma empresa especializada na confecção de materiais médicos e odontológicos. “Fornecemos para todo o Brasil e estamos, inclusive, participando de licitações públicas para fornecer este tipo de suprimento”, afirma. O grupo conta com 260 funcionários e toda a produção é verticalizada.

Fonte/Imagem: AEN

Publicidade
Publicidade
Publicidade

Mais

Ministro diz que desemprego cairá para 8% antes do fim do ano

Atualmente em 9,3%, a taxa de desemprego pode cair para 8% antes do fim do ano com a recuperação econômica, disse hoje (9) o...

Beneficiários de NIS final 2 recebem hoje o Auxílio Brasil

A Caixa Econômica Federal paga hoje (10) a parcela de agosto do Auxílio Brasil aos beneficiários com Número de Inscrição Social (NIS) de final 2. É a primeira...

Flamengo volta a derrotar Corinthians e avança na Libertadores

O Flamengo fez valer a vantagem de jogar em casa e derrotou o Corinthians por 1 a 0, na noite desta terça-feira (9) no...

Ônibus urbano perdeu 10,8 milhões de passageiros em 2021

Apesar da recuperação de 37,8% da demanda de passageiros pagantes transportados pelos ônibus urbanos em 2021 ante o ano anterior, quando comparado com o...